Vem da década de 50

Fonte: site da Associação Nacional de Distribuidores e Processadores de Vidros Planos



Na década de 1950, começaram a aparecer no mercado brasileiro grandes comerciantes de vidro, como Sebastião Pais de Almeida, que chegou a controlar cerca de 60% da distribuição de vidros em todo o Brasil.

Em 1951, a Santa Lúcia Cristais Ltda. começou a funcionar com um pequeno forno plano, duas ou três máquinas de lapidação e alguns cavaletes e tablados usados como mesas de corte. Dez anos mais tarde, a fábrica passou a ser chamada de Blindex.

Associada ao grupo europeu BSN, liderado pela belga Boussois, e com o grupo brasileiro Ipiranga, do setor de petróleo, a Santa Lúcia instalou, em Caçapava, São Paulo, a Companhia Produtora de Vidro - a Providro -, que entrou em operação em 1962.

Com toda essa ascensão da Santa Lúcia, a Vidraria Santa Marina, já associada ao grupo francês Saint-Gobain, buscou reforçar sua posição e aumentou a participação acionária na Vidrobrás.

Pouco antes, em 1957, surgiu a União Brasileira de Vidros (UBV). Criada por um grupo de distribuidores paulistas, a fábrica era responsável pela produção de vidros impressos e passou a concorrer diretamente com a Vidrobrás e sua controlada, a Vicry.

No início de 1960, o mercado possuía três fabricantes principais - Providro, Santa Marina e UBV -, um bom número de distribuidores espalhados pelas regiões de maior consumo e poucos processadores.